Alpestre, 22 de Junho de 2018
Histórico do Município de Alpestre, RS

Alpestre situa-se no Extremo Norte do Estado do Rio Grande do Sul, a uma distância de aproximadamente 430 Km da capital do Estado, Porto Alegre. Na localidade de Porto Santa Lúcia, no Talvegue do Rio Uruguai encontra-se o Marco do Extremo Norte, que delimita o ponto mais setentrional do estado do Rio Grande do Sul. Limita-se ao norte com o Estado de Santa Catarina, ao sul com o Município de Planalto, a leste com o Município de Rio dos Índios e a oeste com o Município de Iraí.

Inicialmente, Alpestre era habitado por índios Caingangues, que habitavam toda a região do Alto Farinhas e costa do Rio Uruguai. Um dos motivos de sua presença eram as águas termais, verdadeira fonte de saúde e a abundância de peixes na época. Mais tarde a tribo se dispersou em busca de melhores condições de vida, até em função da chegada dos primeiros colonos no início da colonização.

Os primeiros colonizadores chegaram a esta terra por volta de 1900. Até 1910 vieram várias famílias de imigrantes e surgiram os primeiros núcleos habitacionais, distribuídos pela região, principalmente nas costas de rios. Na década de 1930, iniciou-se a vila que hoje é sede do município, que teve vários nomes: Paiol do Paduam ou Paiol Grande,Ithay, Terceiro (terceiro distrito do Município de Iraí) e por fim Alpestre, nome sugerido pelo político Vicente Dutra, que visitava a região, por ser um local montanhoso, fazendo alusão aos alpes Suíços.

Em 1963, pela Lei n 4688, de 26 de dezembro de 1963, foi criado o Município de Alpestre, com 322,2 Km quadrados desmembrando do Município de Iraí. A primeira administração foi instalada em 13 de abril de 1964.

A população estimada em 2016/IBGE era de 7.533 habitantes, sendo que a população rural supera em grande número a população urbana, comprovando que o município é essencialmente agrícola e labuta com dificuldades dentre elas o relevo, que dificulta o preparo da terra e o uso de equipamentos agrícolas.

Dentro desta população podemos encontrar uma grande riqueza cultural, trazida por várias origens étnicas, vindas de diferentes regiões do Estado, de outros Estados e países. Esta riqueza cultural é resgatada através de grupos de danças, comidas típicas, procissão luminosa e festas populares. Contamos com o maior número de habitantes da etnia polonesa, seguida dos italianos, alemães e luso-brasileiros.

O Município tem uma média de altitude de 308 metros,porém em pontos mais altos no interior, a altitude chega aos 400 metros acima do nível do mar. Quanto a localização geográfica Alpestre está a 53°00’08” a oeste do Meridiano de Greenwich, (longitude oeste) e 27°14’19”, ao sul do Trópico de Capricórnio, (latitude sul). É o Município mais Setentrional do Rio Grande do Sul.

O clima predominante desta região é o subtropical.

A topografia do município é acidentada, o relevo é fortemente ondulado, com áreas de declividade acentuada, constituído por um conjunto de elevações que formam vales em V.

Faz parte ainda da história de Alpestre, a construção da Barragem Foz do Chapecó que veio aumentar significativamente o retorno financeiro ao município e que possibilita um atrativo turístico, o que vem somar-se ao Turismo Rural que já é realidade no município.


Fonte: Curso Licenciatura Geografia 2001, Livro - Alpestre através dos Tempos.